As condições dos trabalhadores aquaviários foram tema de debate nesta terça-feira (1º) na Comissão de Defesa da Cidadania e dos Direitos Humanos. O presidente do Sindicato dos Aquaviários do Espírito Santo (Aquasind), Antenor da Silva Filho, reclamou das longas jornadas de trabalho, que, de acordo com ele, por muitas vezes duram até 48 horas ininterruptas.

Para Antenor, um dos fatores pela jornada desgastante é o numero reduzido de trabalhadores, o que acarreta diretamente na saúde e na segurança desses profissionais, bem como de toda tripulação envolvida.

“Reivindicamos por mais trabalhadores não só pelo número, mas pela necessidade que temos de segurança e saúde. Os trabalhadores da categoria ficam a mercê das empresas em jornadas puxadas de 48 e 72 horas. E temos que atender os chamados mesmo sem estarmos em verdadeiras condições. Muitos acidentes ocorrem por conta desses problemas, mas ficam no anonimato”, lamentou o presidente do Aquasind.

Antenor também chamou atenção pela alta responsabilidade que o tripulante carrega ao responder cível e criminalmente por qualquer ocorrência com a embarcação, e, que apesar do peso da responsabilidade, não recebem adequadamente para as funções que exercem. 

Ao fim da reunião, a deputada Iriny Lopes (PT) solicitou à Procuradoria da Assembleia Legislativa uma nota técnica sobre as atividades dos aquaviários. Com base no relatório produzido, a Comissão de Cidadania marcará nova reunião com os representantes do Aquasind, ainda sem data prevista, para traçarem futuras medidas.

“Com os relatos do presidente Antenor e com a os resultados da nota técnica, nos posicionaremos e poderemos adotar a melhor saída para ajudar a categoria dos aquaviários”, ressaltou Iriny.

Também esteve presente na reunião o deputado Lorenzo Pazolini (sem partido), membro efetivo do colegiado.

Fonte: https://www.al.es.gov.br/Noticia/2019/10/37904/aquaviarios-pedem-jornada-menor-e-contratacoes.html